Tenho visto muitas pessoas mudarem de vida, seja ela profissional, afetiva e até financeira. Pessoas que desejavam uma profissão, mas logo partiram pra outra, buscando uma realização maior. Pessoas mudando de cônjuges, pois não suportam mais aquela relação. Pessoas enriquecendo e empobrecendo, vivenciando novas experiências de acordo com a nova condição financeira. E assim por diante, várias mudanças : pessoas mudando de cidade e até de país, casais tendo filhos, filhos dando netos a seus pais, e nessa hora, me maravilho com as possibilidades de nossa vida : são mesmo infinitas. Mas será que sabemos o que queremos ?

Hoje em dia se fala muito em “ter foco”. Este jargão, muito presente no ambiente organizacional, se encaixa em nosso dia a dia em qualquer tarefa que venhamos a fazer. É comum a dona de casa programar seu dia, já fazendo o itinerário da manhã : levar os filhos na escola, pegar as roupas na costureira, passar no banco, no supermercado, e voltar pra casa pra preparar o almoço. O executivo também pensa em seu dia : preparar determinada apresentação, receber o cliente às 11 horas e depois levá-lo para almoçar no melhor restaurante próximo à empresa.

Assim vamos seguindo, cada um com seus objetivos diários. Alunos estudando para a prova, professores preparando suas aulas, profissionais cuidando de seu material de trabalho, pensando numa especialização ou numa nova forma de fazer alguma atividade.

O foco entra em sermos objetivos, e reflete-se em nosso dia a dia quando sabemos exatamente o que queremos. Não adianta a dona de casa ir ao banco cumprindo sua programação da manhã, e ao chegar lá deparar-se com uma burocracia de papéis que a farão ter que correr atrás de outros papéis e deixar o supermercado para depois. Pronto, já perdeu o foco.

Ou o executivo preparar a apresentação e descobrir que um colega seu de trabalho fez uma muito melhor que a dele, e o chefe sugerir então que o colega atenda aquele cliente especial. Pronto, perdeu o foco também. Aquele aluno que está estudando para aquela prova dificílima pode facilmente sair do foco se um amigo o convida para uma cerveja bem gelada no final do dia, e o professor pode perder seu tempo preparando uma aula maravilhosa, ao constatar que surgiram novas pesquisas recentes em sua área e que é necessária uma atualização urgente no conteúdo da mesma.

Penso que temos contratempos todos os dias, penso que por mais focados que estejamos em uma situação, distrações e novas oportunidades sempre vão surgir, e para quem sabe exatamente o que quer e por isso tem foco, aquele contratempo não o dispersa de seu objetivo principal.

Será que estou mesmo preparado para mudar de carreira ? Será que o fim do meu casamento é a melhor saída ? Será que mudar de cidade é uma necessidade ou estou apenas fugindo de meus problemas ? E mais : devo continuar nesta carreira medíocre ? Vale a pena ainda insistir neste casamento falido ? Devo ignorar novas oportunidades em outra cidade que não a minha ?

Evidentemente não existem regras e respostas certas para as perguntas acima, mas as respostas serão mais assertivas quando sabemos o que queremos. Se sei que tudo o que quero é uma nova carreira profissional, por que não investir nisso ? Se aquela prova é fundamental para mim, por que não deixar a cerveja com os amigos para mais tarde ?

Quando temos foco e sabemos o que queremos, qualquer contratempo nos fará apenas atrasar o cumprimento do que queremos, mas nunca irá nos tirar do objetivo principal. Ao passo que, se os contratempos nos tiram do objetivo principal, será que estamos mesmo certos do que desejamos ? Será que o simples fato de dar maior atenção para o que não era o meu foco principal não quer dizer que talvez o meu foco principal não seja tão principal assim ?

Gosto mesmo da minha carreira a ponto de deixar meu colega de trabalho roubar meu cliente ? Gosto mesmo de dar aula, a ponto de não me preocupar em atualizar meus alunos com informações sobre as pesquisas mais recentes da área ?

Vale a pena ponderar também que ter foco não significa ser inflexível. Pelo contrário, se temos flexibilidade e foco, a conquista do que queremos é mais tranquila, pois distrações e contratempos acontecem o tempo todo, e muitas vezes, são estas distrações e contratempos que nos reforçam o desejo em alcançar o que traçamos como objetivo.

Paciência, prudência, também fazem parte dos requisitos necessários para alcançarmos o que desejamos. Quando sabemos o que queremos, temos paciência para a conquista. E você : sabe o que quer ?

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest