“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida” – assim disse Vinícius de Moraes. Assim mesmo é a vida : encontramos tantas pessoas, nos desencontramos de tantas outras….

A cada encontro temos sempre a oportunidade de convívio, aprendizado, crescimento. Conviver com as diferenças dos outros nos torna mais maduros, empáticos, humanos, tolerantes… “Seria tão bom se todos fossem como nós” é o que dizem por aí. Acho que não… as diferenças são tão boas para nos darmos conta dos encantamentos da vida. Como seria o mundo se todos gostassem da mesma cor ? Não é o arco íris que dá graça à vida ?

Existem desencontros de espaço, tempo, desejos, sonhos…. existem desencontros de perdas, de ausências, de morte…. Tudo isto faz parte da vida, nos faz chorar, relembrar, recordar….

Existem desencontros depois de encontros… o que aprendi com o outro ? O que ele aprendeu comigo ? “Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” – disse Saint-Exupéry.

2016 levou muita gente embora. Muitos artistas, pessoas queridas, pessoas próximas, pessoas importantes e significativas que deixaram sua marca. Pessoas que ficam em nossos corações, que são nossa referência, muitas vezes nosso norte. Que nos amaram acima de tudo. Que talvez não souberam amar, mas tentaram….

Ouvi uma história que diz que uma pessoa só morre quando a última pessoa que pode se lembrar dela também morre. Será mesmo ? Podemos escolher como queremos viver e as lembranças que queremos deixar. Uma pessoa pode deixar sua marca em sua conduta, em suas reflexões, em seus exemplos, em sua obra. Muitos e muitos anos depois podemos ainda falar dela, sem ao menos a termos conhecido.

Sócrates disse : “Uma vida que não é examinada, não merece ser vivida”. Que possamos viver nossa vida com alegria, reflexão, coragem, sabedoria, gratidão, aprendizado. Que possamos deixar para os que nos seguem, um exemplo de amor e de luta por um nobre ideal.