No meu trabalho de Coaching Afetivo, sou procurada por muitas mulheres que se cansaram de um relacionamento fugaz, às vezes nem são relacionamentos, são encontros esporádicos que não levam a nada. São mulheres inteligentes, bonitas, bem sucedidas, dispostas a um relacionamento estável, um relacionamento sério, um compromisso para uma vida a dois.

Algumas trazem padrões de comportamentos que claramente as atrapalham na busca deste amor, como ciúme, insegurança, sentimento de posse, desânimo com a vida. E para estes casos, o trabalho é bem focado nestes padrões que podem ser diminuídos ou até eliminados, para que não sejam obstáculos para um relacionamento feliz.

Outras são mulheres seguras, independentes, com uma carreira em ascensão, e talvez por isso mesmo não consigam um relacionamento estável : porque os homens têm medo delas, de que elas sejam mais bem sucedidas que eles, de que elas não precisem deles. Mas como assim, precisem deles ? Elas não querem ser dependentes, elas querem compartilhar uma vida !

Desde os tempos das cavernas, o homem é o provedor, o cuidador, o responsável pela família. E isso pode e deve ser mantido. Veja um exemplo : um homem cavalheiro, não é maravilhoso ? Ele te cuida, abre a porta do carro pra você, carrega peso, faz pequenos consertos… e a mulher ainda assim pode ser independente, bem sucedida, etc, etc… mas deixando o homem cumprir seu papel.

De tudo o que tenho visto e vivido, acredito que o que mais me impressiona em mulheres que não conseguem um relacionamento estável e duradouro é sua falta de objetivos. Quero dizer que uma mulher acomodada acaba sendo uma mulher desinteressante.

Uma mulher acomodada está bem onde está, não busca crescer, vencer novos desafios, ser informada, estar antenada com o que se passa ao seu redor. Conheço mulheres donas de casa informadíssimas. Não é porque optaram por cuidar dos filhos em tempo integral que não acompanham o mundo, não lêem um bom livro, um jornal, não fazem planos para a família, não tem visão de futuro. Muito pelo contrário : muitas pensam em voltar à atividade profissional tão logo os filhos estejam mais crescidos, pois têm seus sonhos e desafios pessoais – e não só familiares.

E conheço também mulheres que cumprem sua rotina : cuidam da casa, dos filhos, trabalham, cuidam do marido, seguem sua toada, e não se desafiam. Estão no mesmo emprego há anos, não são promovidas, não buscam uma especialização, não têm sonhos a alcançar e obstáculos a vencer, vivem o dia de hoje somente.

Não estou falando de planejamento financeiro ou planejamento para aposentadoria, mas também poderia ser isso. Estou falando de objetivos, de algo maior do que nós, que nos mantenha vivos, sedentos de novas oportunidades, novas experiências, sedentos por um mundo melhor.

Estas mulheres estão longe de ser acomodadas, se estão sozinhas, seguem suas vidas com alegria : passeiam, assistem aos melhores filmes, encontram-se com os amigos, trabalham, desejam sempre mais. E também não estou falando de ambição pura e simples, estou falando em ser uma pessoa melhor, seja culturalmente, financeiramente ou mesmo humanamente.

Se você está sozinha e gostaria de um relacionamento estável, pense com que grupo de mulheres você se identifica. Veja se você está mais para acomodada ou mais para interessante. E quem sabe assim você possa perceber mais um aspecto seu que pode ser atrativo para um homem que deseja viver – como você – uma vida a dois.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest