Um dia – e isto pode acontecer na vida de qualquer um – nossa saúde faz falta e precisamos de ajuda. Seja porque pegamos uma gripe muito forte que nos derruba na cama, seja porque torcemos o tornozelo jogando futebol, seja porque fomos picados pelo mosquito da dengue ou tivemos uma isquemia que por alguns dias nos deixa paralisados. Nestas horas, precisamos de ajuda. Você tem alguém para cuidar de você ?

Muitas pessoas prezam sua independência – e isto é muito bom ! Se viram sozinhas, vão atrás dos seus sonhos, caem, se levantam, se viram, seja porque não gostam de depender de ninguém, seja porque a vida lhes fez agirem desta forma.

Outras são mais dependentes, estão sempre precisando de alguém, não suportam a solidão, não suportam o silêncio, ás vezes reclamam de tudo só para terem o que falar. Não sabem e não querem ser independentes, não tomam as rédeas de suas vidas.

E claro que existe o meio termo destes comportamentos : pessoas independentes que sabem pedir ajuda e pessoas dependentes que começam a experimentar algo novo, a independência, quando resolvem arriscar dando um novo passo : às vezes um emprego novo, um novo namorado, uma roupa mais ousada…

Enfim, nestes tons de independência e dependência, sabemos que somos seres que vivem em sociedade. Me espanta muito como o mundo virtual tem crescido. Pessoas que acreditam ter mais de 1000 amigos por causa dos seus contatos nas redes sociais. Ou pessoas que fazem tudo pela internet : pagam contas, executam seus trabalhos, pedem uma pizza e estudam á distância.

Prevejo um mundo de egoístas e egocêntricos, de irmãos que não dividem o mesmo quarto e por isso não sabem compartilhar de suas vidas. Cada um tem seu carro, seu celular, seu computador, seu quarto e seus amigos – a maioria virtual, devo lembrar.

E quando a saúde falta… quem vai ajudá-los ? Somo falíveis, precisamos de ajuda. Precisamos saber conviver em sociedade, lembrar que é dando que se recebe e não “vou dar para receber”. O dar é desinteressado e com desprendimento, o receber vem naturalmente.

Quanto do seu tempo, do seu carinho, da sua atenção você tem dado para as pessoas ao seu redor ? E para desconhecidos ? Você tem paciência e generosidade para ensinar um caminho a quem está perdido ? Ou é capaz de estudar com seu amigo que ficou de recuperação quando você já passou de ano ? Ou é capaz de ajudar um amigo com a apresentação no trabalho desinteressadamente, sem levar os créditos por isso ?

A resposta a estas perguntas é proporcional ao tempo e dedicação que você receberá quando precisar de alguém para cuidar de você. E preste atenção : muitas vezes a ajuda vem de quem você menos imagina. Daquela pessoa que verdadeiramente sabe dar, sem se preocupar em receber nada em troca. E por que ela faz isto ? Não será pelo exemplo ? Saúde pra você !

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest