Acontece com todo mundo : um dia você se vê tentado a fazer algo que não deveria fazer. Pode ser comer um pedaço de bolo estando de dieta, pode ser deixar de dar um ombro amigo a quem precisa porque você prefere sair pra balada. Pode ser trair o (a) parceiro (a) porque está desejando um encontro maravilhoso com um(a) colega de trabalho, ou mesmo comprar algo que não pode e fazer uma dívida desnecessária.
Todos nós já nos vimos em situações assim… Na maioria das vezes, sabemos o que é certo e o que é errado e sabemos que este certo e errado parte de nós mesmos, dos valores que adquirimos e prezamos. Mas….. e agora ? O que fazer com esta tentação ?
Se você cair em tentação e por exemplo, comprar mais do que podia, gastando o dinheiro que não tem, logo sentirá culpa. A fatura do cartão de crédito certamente chegará, você vai ter que pagar aquela conta. E quando estiver vivendo aquele conflito que a culpa traz, pensará : “que besteira que eu fiz ! O que comprei nem era tão importante assim….” Mas o mal já foi feito. Agora o que lhe resta além de pagar a conta, é ter maturidade para não agir por impulso novamente.
Mas você pode também se enganar… Se for uma traição, por exemplo, pode pensar : “mas também ele (ela) bem que mereceu, há tempos não estamos bem e ele (ela) nem olha mais pra mim”. Ou então : “vai ser só uma vez, ninguém vai saber….”. Pois é, acreditamos na mentira que contamos para não sentirmos culpa, para agirmos aliviados porque o outro bem que mereceu. Sim, você pode agir desta forma e acreditar na mentira. Mas até quando ? Conseguirá ficar bem se olhando no espelho ? Seu corpo de alguma forma acusará uma culpa através de sentimentos de angústia e tensões emocionais.
E no caso de não cair em tentação, por quanto tempo você aguentará ? Aquele bolo está lá na vitrine todo dia. E você de dieta. E o bolo lá, todo dia na vitrine. E você passando ali todo dia. Até quando você vai resistir ? Será melhor mudar de caminho para não ver mais a vitrine com aquele bolo delicioso ? Mas mudar de caminho vai resolver ? Não existirão outros bolos e doces deliciosos em outras vitrines ?
A saída para estas questões é negociar. Negociar com quem ? Com você mesmo ! Procure entender o que te atrai naquela tentação. Por que é preciso comprar aquela Ferrari ? Por que mereço ? Porque quero desfilar de Ferrari na frente dos meus amigos ? Porque meu vizinho tem um Porsche e vive esfregando isso na minha cara ?
Perceber o que te atrai para a tentação é um bom começo. Outra questão importante para avaliar é : o que ganho com isso ? Será um prazer momentâneo ? Será que me privando disso hoje, neste momento, não terei um ganho maior lá na frente ? Como a realização deste desejo pode influenciar meu presente e meu futuro ? Se estivermos falando de um casamento, vale a pena trair e colocar em risco anos de uma relação sólida ? Se for uma amizade, vale a pena deixar hoje seu amigo na mão e esquecer o quanto ele te ajudou quando você precisou ?
Vale a pena fazer estas ponderações. Vale a pena fazer um exercício e se enxergar no futuro a partir da realização desta tentação. E vale a pena também, ao negociar com você mesmo, você perceber o quanto é forte, o quanto é capaz de tomar uma decisão madura, podendo apreciar os ganhos futuros. E não tem maior triunfo do que você se vencer. Experimente !
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest