Não podemos e não devemos julgar o sofrimento das pessoas. Devemos ter compreensão quanto ao sofrimento de cada um e da forma como cada um reage às adversidades da vida. Nós não somos perfeitos, não devemos exigir perfeição das pessoas ao nosso redor.

Vejo pessoas que sofrem por amor : não encontraram seu par ou estão vivendo um casamento medíocre. Alguns já se casaram e se separaram várias vezes… outros vivem um eterno luto pela perda de seu cônjuge e mal conseguem tocar a vida pra frente sozinhos.

Pessoas que sofrem por problemas financeiros também encontro com frequência. Alguns se ressentem por não terem tido boas oportunidades na vida, como vêem que outros tiveram. Ou se ressentem porque um dia tiveram tudo e perderam tudo. Outros não conseguiram adquirir nada – um carro, talvez uma casa – mas não perdem a oportunidade de terem o melhor celular ou vestir as melhores roupas.

Pessoas idosas têm restrições : a vista já não é a mesma, muitas vezes os dentes já se foram, a coluna grita de dor, o intestino não é regulado. Encontro idosos que só falam de doenças e conhecem todos os tipos de remédios disponíveis no mercado. Mas conheço também pessoas idosas que compreendem ser natural não terem mais a saúde que já tiveram um dia. Carregam no coração tanta gratidão e tantas boas lembranças, que encaram a saúde debilitada como só mais uma fase da vida – desta vez, de uma vida que está próxima do seu fim.

Saúde, problemas de relacionamento, conflitos no trabalho, com os vizinhos… ausência de amigos e pessoas confiáveis, ausência de objetivos na vida… sofre-se por tudo nesta vida.

É muito interessante quando paramos para observar como as pessoas encaram seus problemas. Alguns são otimistas por natureza, “o copo está sempre meio cheio”, mesmo que não tenham dinheiro para terminar o mês ou vivam em conflito com seus filhos, por exemplo.

Outros carregam o pessimismo como sua bandeira : “nada dá certo em minha vida”. São pessoas tristes, amarguradas, por vezes invejosas. Acham que de alguma forma tudo de ruim acontece somente com elas. Muitas vezes não conseguem olhar ao redor e ver que os outros também têm problemas. Não conseguem parar para refletir sobre sua vida ou mesmo observar como os outros lidam com suas adversidades. Poderiam aprender muito se fizessem o exercício da empatia, de se colocar no lugar do outro, percebendo que todos têm problemas, e que o grande segredo é saber como lidar com eles.

Quando fizer um balanço de suas conquistas na vida, reflita também sobre a maneira com que você leva a vida. Você irá descobrir que levar a vida com alegria, bom humor e gratidão faz toda a diferença. E poderá inspirar muitos ao seu redor a enxergarem a vida da mesma forma !

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest