Na semana passada me encontrei com uma amiga muito querida. Há tempos eu não a via, então tínhamos muito papo para botarmos em dia ! Dentre as coisas que conversamos, uma a deixava apreensiva : sua filha havia se separado pela segunda vez. E ela estava triste por sua filha ter um segundo casamento desfeito.

Quando faço Coaching Afetivo para separados, meu (minha) cliente traz uma questão : como seguir a vida adiante ? A separação foi mesmo a decisão mais acertada ? Estas questões independem de qual dos lados pediu a separação. Na maioria das vezes ambos concordam que o casamento chegou ao fim, bastava apenas que um dos lados desse o primeiro passo para consumar no papel ou na prática (no caso da mudança de casa), o que há tempos já havia : eles não eram mais um casal.

Com a filha da minha amiga, aconteceu uma coisa bem interessante que vale a pena compartilhar. Quando a filha lhe disse que havia se separado, a mãe a indagou com questões próprias de suas vivências : mas ele te batia ? Era violento com você ? Ele te traiu ? Ele não gostava de trabalhar ? Era vagabundo ? Bebia ? Usava drogas ? Enfim, perguntas pelas quais o senso comum entende uma separação. Mas diante de uma negativa para cada uma destas perguntas, lhe restou perguntar : então por que você pediu a separação ? O motivo era simples, mas nem por isso de pouca importância : porque ele não queria crescer.

Este crescer pode significar profissionalmente, galgar novos degraus no trabalho. Também pode significar intelectualmente ou psicologicamente. Ele não buscava novos desafios, estava acomodado com sua vida, do jeito que estava já estava bom. E pra ela não : ela queria alçar vôos, quem sabe planejar uma viagem ao exterior, buscar um trabalho melhor, talvez construir uma casa… Enfim, ela queria novos desafios, um homem que não se acomodasse com trabalhar de 2ª. a 6ª. feira, beber com os amigos aos finais de semana e achar que a vida assim está ótima !

Minha amiga compreendeu o que sua filha dizia, eu também ! Já atendi diversas pessoas e casais que na falta de um horizonte, de um objetivo maior em comum, não se encontram mais juntos. Até falta de assunto, de conversar mesmo, rotinas do dia a dia, sua filha sentia falta em relação ao marido. Como ele viajava muito a trabalho, ela logo percebeu que com ele ou sem ele em casa, era a mesma coisa.

Convido você agora a repensar seu casamento, a regar esta planta que precisa de cuidados e carinhos. Sonhar novos sonhos com seu (sua) parceiro (a), buscar novos objetivos em comum que possibilite ao casal voarem juntos em busca de novos horizontes.

Pense em seu casamento, no casamento dos seus amigos e familiares. E se julgar que este texto pode ajudá-los, compartilhe com eles desta reflexão. Os botões para compartilhamento estão aí embaixo. Quem sabe assim você não ajuda a fazer do seu casamento e do casamento de outros, um casamento mais feliz !

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest